Dia da Mãe Preta

DiadaMaePreta

Hoje é o Dia da Mãe Preta.

Mais que nunca rendo aqui minhas homenagens e memórias a todas as mulheres negras que amamentaram  aquele Brasil branco. Todas as amas de leite negras. Todas as escravas das Grandes Casas. Todas as humildes negras que recebiam abertas as portas e os corações em seus lares humildes os filhos de todas as etnias. Agradeço ter sido criado em suburbio do Rio. Lá não havia racismo ou discriminação. Éramos todos amigos, sem distinção: negros e brancos. Aliás coisa difícil de não o ser já que no subúrbio, como no Brasil , a maioria é negra. Mas é no subúrbio que a solidariedade e a fraternidade rompe as barreiras da cor da pele. Mais tarde na vida fui morar na Bahia. Na minha Salvador multicor. Só estúpidos conseguem ser racistas ou discriminatórios na Bahia. Lá, mais que em qualquer outro lugar – talvez Minas Gerais – a Mãe Preta acolheu a todos.

Comemora-se hoje também a lei do Ventre Livre, um paliativo no caminho da libertação final dos escravos no Brasil.

Dia da Mãe Preta e da Lei do Ventre Livre…recorda-me a poesia de Castro Alves (1847- 1871)  , “Navio Negreiro”

“…negras mulheres suspendendo às tetas
magras crianças cujas bocas pretas
rega o sangue das mães…”

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *